Resíduos de Azeitona propostos como Fertilizantes Orgânicos

As vantagens de incorporação destes resíduos orgânicos incidem especialmente na valorização de subprodutos aparentemente com nulo interesse económico, na sua deposição de forma sustentável (solucionando um problema ambiental gerado pelo tratamento dos resíduos da indústria do azeite, que geralmente não possuem um destino rentável ou adequado), na promoção do retorno de matéria orgância ao seu ponto de origem - o solo (bastante valorizado na agricultura biológica) e, finalmente, na melhoria e recuperação da fertilidade do solo e prevenção da sua erosão e degradação, pelo seu potencial valor fertilizante mineral e orgânico. Outras mais-valias podem ser apontadas como a temporalidade da aplicação do processo aqui proposto (pela sua inesgotabilidade) e a sua contribuição para a diminuição do recurso a fitofármacos. Neste contexto, a utilização de bagaço de azeitona procedente das recentes tecnologias de extração de azeite de duas fases permite atestar um carácter de inovação a esta oportunidade de valorização e reciclagem de nutrientes e de matéria orgânica, viabilizando uma solução bastante prática, interessante e rentável para o destino destes subprodutos. A metodologia proposta permitirá incrementar o potencial do uso de resíduos de lagares como fertilizantes do solo, desempenhando um papel importante na manutenção do ecossistema do olival e numa agricultura sustentável.

Pretendo saber mais sobre esta tecnologia: